A Coroa Rica de Nossa Senhora de Fátima Capelinha

A Coroa Rica de Nossa Senhora de Fátima Capelinha

A Imagem Capelinha

Em 1917, de maio a outubro, na Cova da Iria os três pastorinhos, Lúcia, Jacinta e Francisco viram sobre uma pequena azinheira “uma Senhora mais brilhante que o sol” que lhes transmitiu a “mensagem de Fátima”. A partir desse ano de 1917, impulsionada pela fé católica, o milagre das aparições e a mensagem inspiradora de Fátima difundiram-se mundialmente, tendo como principal embaixadora a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima que tem percorrido os cinco continentes.

No entanto, a imagem de Nossa Senhora de Fátima que se venera na Capelinha das Aparições do Santuário de Fátima, obra do santeiro José Ferreira Thedim e oferecida em 1920 por Gilberto Fernandes dos Santos, sai muito pouco, apenas em ocasiões especiais.

Encontra-se protegida por uma redoma, sobre uma coluna situada no local exato onde estava a azinheira junto à qual Lúcia, Francisco e Jacinta viram e ouviram a Nossa Senhora. Pouco antes da meia-noite, todos os dias, é retirada e levada para outro local, só regressando de manhã, antes da primeira celebração.

Nossa Senhora de Fátima Capelinha

Os mais atentos já terão verificado que a Senhora de Fátima “Capelinha” tem duas coroas. A coroa de prata dourada, usada diariamente e a “Coroa Preciosa” também designada por coroa “Rica”, em ouro e pedras preciosas, para os dias de grandes celebrações, nomeadamente nos dias 13, de maio a outubro.

Nossa Senhora na Capelinha das Aparições com coroa de ouro e pedras preciosasNossa Senhora na Capelinha das Aparições com coroa de prata dourada
Nossa Senhora de Fátima Capelinha com
Coroa em Ouro e Pedras Preciosas
Nossa Senhora de Fátima Capelinha com
Coroa em Prata Dourada

O símbolo de poder da coroa, que Nossa Senhora de Fátima ostenta, não apareceu com Ela diante dos pastorinhos de Fátima.

A criação destas coroas, exemplares únicos, remonta a 1941, quando um grupo de mulheres portuguesas efetuou uma campanha nacional de recolha de joias para manufaturar uma coroa de rainha destinada a ser oferecida a Nossa Senhora de Fátima, em ação de graças pelo facto de Portugal não ter entrado na Segunda Guerra Mundial. Pediram-se joias e não dinheiro, de forma a materializar a coroa diretamente com as dádivas de cada um.

Esta recolha resultou na reunião de um significativo conjunto de joias em ouro, prata e pedrarias que foram entregues à Casa Leitão & Irmão, os antigos joalheiros da coroa, para a sua produção. Como a generosidade das ofertas foi tão grande, no ano de 1942, foram elaboradas de forma gratuita, duas coroas: uma em prata dourada e outra em ouro e pedras preciosas. Ambas coroas de rainha, pois Nossa Senhora tinha sido coroada Rainha de Portugal em 1646 pelo Rei D. João IV.

Coroa em Ouro e Pedras Preciosas 1942Coroa em Prata Dourada 1942
Coroa em Ouro e Pedras Preciosas - 1942Coroa em Prata Dourada - 1942

Durante três meses, trabalharam nas coroas 12 joalheiros / ourives, que a partir do desmancho total ou parcial das joias, fundiram o ouro e cravaram 2992 pedras preciosas, segundo desenhos criados pela Casa Leitão, onde se destacam oito hastes de ouro, o que corresponde heraldicamente a uma coroa de rainha.

Este grandioso e glorioso trabalho resultou numa preciosa obra de joalharia portuguesa conhecida como “a Coroa de Nossa Senhora de Fátima”, que constitui a mais notável obra de joalharia portuguesa do século XX e simultaneamente a mais conhecida no mundo inteiro.

A coroa de ouro, que pesa 1200 gramas é enriquecida por 2992 pedras preciosas, nomeadamente 1400 diamantes, 950 brilhantes, 313 pérolas, 260 turquesas, 33 safiras, 17 rubis, 13 esmeraldas pequenas, uma esmeralda grande, uma ametista e quatro águas-marinhas que constituem as quatro grandes gemas retangulares transparentes na base da coroa.

A Coroa rica de Nossa Senhora de Fátima, tornava-se assim um importante testemunho gemológico, para além do seu valor devocional no culto Mariano que viria a adquirir ao longo dos anos.


A Coroação de Nossa Senhora de Fátima

Coroação de Nossa Senhora de Fátima por Cardeal Bento Aloisi Masella em 1946

Em 13 de outubro de 1942, um grupo de mulheres portuguesas em representação do povo português oferece a coroa de ouro à imagem da Capelinha das Aparições em sinal de gratidão pelos seus maridos e filhos terem sido poupados aos dramas da 2ª Grande Guerra.

Mas, é só em 13 de maio de 1946 que em Fátima, o Cardeal Bento Aloisi Masella, legado pontifício, coroa solenemente e pela primeira vez a imagem de Nossa Senhora de Fátima.


A coroação de Nossa Senhora de Fátima é evocada numa lápide, à entrada da capela-mor da Basílica de Nossa Senhora do Rosário, no Santuário de Fátima.


Papa João Paulo II e a bala do atentado

A 13 de maio de 1981, o Papa João Paulo II sofre um atentado na Praça de S. Pedro, no Vaticano, atribuindo a sua salvação à intervenção de Nossa Senhora de Fátima, que o protegera.
Em 25 de Março de 1984, Karol Wojtyla faz na Praça de São Pedro, no Vaticano, a Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria, diante da imagem da Virgem de Fátima, que viajou a pedido do Papa, propositadamente desde a Capelinha das Aparições em Fátima.

Consagração de Nossa Senhora de Fátima pelo Papa João Paulo II em 1984

O falecido Sumo Pontífice encontrou-se com o então bispo de Fátima, D. Alberto Cosme do Amaral e ofereceu a bala disparada pelo turco Ali Agca e que lhe trespassou o corpo no atentado de que foi vítima, em sinal de agradecimento à Virgem por lhe ter salvado a vida, tendo dito na altura “Tenho aqui uma prenda para Nossa Senhora”.

O ‘Mistério’ da Coroa

Após algum tempo à procura do melhor lugar para guardar tão precioso objeto, o bispo e o reitor do Santuário decidiram encastoá-la na coroa rica de Nossa Senhora, utilizada apenas nas cerimónias mais solenes.

A Casa Gomes, da Póvoa de Varzim, ficou incumbida de proceder à sua colocação e quando os especialistas foram colocar a bala na Coroa da Virgem e procuravam um local onde a encaixar sem comprometer a arte da mesma, verificaram que, curiosamente na manufatura original da coroa, em 1942, no seu interior e no sítio onde estão unidas as oito hastes de rainha, imediatamente debaixo do orbe azul celeste, formava-se um vazio que era o encaixe perfeito e adequado ao calibre da bala, tendo esta sido colocada por engaste, em 1989 e onde permanece até hoje.

Pormenor da bala na Coroa Preciosa de Nossa Senhora de Fátima Capelinha

E a incrível coincidência contribuiu para o mistério em torno da coroa de Nossa Senhora de Fátima e da relação especial que João Paulo II tinha com o fenómeno Mariano.

A coroa de Nossa Senhora de Fátima é provavelmente "a joia mais importante feita em Portugal".

Conhecida como "coroa preciosa", é colocada na imagem de Nossa Senhora apenas nas peregrinações aniversarias ou em outras ocasiões consideradas especiais, estando nos restantes dias guardada no edifício da Reitoria do Santuário, em frente à Capelinha das Aparições, podendo ser vista na exposição aberta ao público "Fátima Luz e Paz", que exibe exemplares representativos das ofertas feitas a Nossa Senhora ou ao seu Santuário.

Tags: coroa bala

Deixar uma Resposta

Todos os campos são obrigatórios

Nome:
E-mail: (Não Publicado)
Comentário: